quarta-feira, 13 de maio de 2015

[1501] Novo livro "cabo-verdiano" na biblioteca do Pd'B

Por 15 euros mais os portes, acabou de nos chegar hoje pelo correio o livro Cartas de Cabo Verde, da autoria do Eng.º Luiz de Saldanha Oliveira e Souza (ed. do autor, 1946, Tipografia Inglesa, Lisboa). Tem sinais do tempo, capa roída pela traça, miolo amarelecido mas mesmo assim encontra-se em bom estado de conservação. Um mimo, aqui para o bibliófilo que se interessa pelas coisas das ilhas. Ver o anúncio que por enquanto se mantém no ar mas já não servirá a outro comprador, AQUI.

E se por um lado o pequeno book (17,5cm x 12,5cm) não é escrito por cabo-verdiano, por outro é dedicado ao Eng.º Alberto Lopes da Silva, irmão do sempre saudoso Dr. Aníbal: "Ao muito presado colega e Amigo, Ex Sr. Eng.º Alberto Lopes da Silva, inesquecível companheiro de tão agradáveis viagens e trabalhos, recordando-o com a maior amizade. Oferece, Luiz de Saldanha." Informamos ainda que a chegada do autor a Cabo Verde se fez no "Guiné".

Aos nossos leitores, deixamos um excerto (futuramente deixaremos outros) e as imagens patentes no site de vendas através do qual o negócio foi concretizado:

"Ficamos alojados em casa do Dr. Aníbal Lopes da Silva, distinto médico e pessoa de finíssimo trato, belo companheiro  muito simpático, irmão do engenheiro, nosso prezado amigo e activo colega de missão. Exerce aqui a sua clínica; mas a família está a veranear na próxima Ilha de Santo Antão, pois agora é a época própria. 

Também estava no nosso programa percorrer essa ilha, que todos dizem ser a mais bela do arquipélago; mas a urgência de regresar ao Continente impediu-me de pôr em prática tal projecto.

Nesta cidade do Mindelo, a vida social é muito mais activa que na Praia; os estabelecimentos comerciais, mais variados e importantes; a população mais numerosa; e o movimento do Porto Grande de S. Vicente, o mais intenso de todo o Arquipélago.

O liceu muito frequentado, dada a feliz disposição do cabo-verdiano para o trabalho intelectual, e o elemento militar ainda numeroso, contribuem para aumentar a animação da cidade. À noite o jardim público, vasto, espaçoso e bem iluminado, regorgita de passeantes, enquanto no coreto uma banda musical executa variado programa, tornando ainda mais agradável este recreio.

Quando há cinema, que ainda não é diário, enche-se a vasta sala com espectadores de todas as categorias sociais."

E mais não diz o Praia de Bote, cheio de vontade de se atirar a este verdadeiro petisco de 112 páginas que será devorado num ápice. Quanto aos nossos leitores, é garantido que ficarão cheios de manha. Mas, meus amigos, a vida é mesmo assim, cheia de injustiças...

3 comentários:

  1. Creio que este livro foi um achado precioso...Djack: Você tem faro canino...Não nos deixe, apenas, pelo aperitivo...
    B rça curioso
    Zito

    ResponderEliminar
  2. Há coisas de Cabo Verde que quando lhe podemos deitar a mão (isto é, que esteja dentro das nossas possibilidades) é logo. Esta foi uma delas. Preço relativamente aceitável para tão excelente petisco. E ainda por cima dedicado a pessoa cujo irmão conhecemos. E estamos em vias de adquirir um cartão, um simples cartão de visita, de figura também marcante das ilhas, recentemente visitada pelo Pd'B. Veremos se a coisa se concretizará. O "negóce" deve ficar por seis ou sete euros...

    Braça bibliófila,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Djack Fantástico: Gostaria de pegar no livro e depois lê-lo

    ResponderEliminar