domingo, 10 de janeiro de 2016

[1799] Quer uma casa ou um barco feito de boa madeira cabo-verdiana?

Gilica
Para o efeito pode utilizar a madeira de coqueiro (para traves), a da figueira brava (para embarcações de médio porte) ou a do zimbro (para embarcações pequenas). É o que aconselha a Revista Popular, de Lisboa, editada pela Imprensa Nacional em 1849. Ficamos portanto à espera e quando tiver a casa ou o barquinho pronto convide-nos para a estreia do novo palácio ou para a viagem inaugural. Neste caso, levaremos a respectiva garrafa de Möet & Chandon, para rebentar na proa, como sinal de bom augúrio.


4 comentários:

  1. Acredito que estes conselhos aínda hoje continuem válidos...Todavia, preferiria aconselhar a deixar as pobres (e escassas) árvores onde quer que tenham conseguido sobreviver à construção naval...
    Braça à sombra do coqueiro,
    Zito

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conversa, conversa... ainda hei-de ver o nosso amigo no seu "Zito I" (feito de madeira de figueira brava) a navegar na baía do Porto Grande, talvez com uma derivação a São Pedro ou ao Djéu, quiçá a Salamansa, linha na mão, isco no anzol, atuns em pânico que dizem: "Bsot fji, uli aquel mandrongue-cabverdione d'Arrozcatum".

      Braça com a ilha de São Vicente em alvoroço,
      Djack

      Eliminar
  2. Lá pelas bandas do Mato Inglês ainda se encontra algum pé de Zimbro mas, de frutos, nada.

    ResponderEliminar
  3. Quero crer que mesmo para a construção dos nossos botes, a madeira vinha de fora. O que existe nas ilhas não dá para quase nada, a não ser para fazer uns piões para os rapazes, neste caso de madeira de laranjeira.
    Deixem-me que vos diga que o Djack está cada vez mais imaginativo e divertido.

    ResponderEliminar