quarta-feira, 16 de março de 2016

[2027] Para a nossa visitante-militante da ilha do Fogo, uma prendinha, do autor citado no post anterior

Do mesmo Miguel Eduardo Lobo de Bulhões, a descrição da ilha do Fogo. Ver a biografia do autor, AQUI


3 comentários:

  1. Dessa ilha sempre houve gente brava. Nunca esquecerei o Senhor Abilio Monteiro Macedo, um dos mais dinâmicos elementos das Forças Vivas do Mindelo.
    Agora... temos muitos Vivos à força que, apesar de vivos, continuam como que num congresso de depressivos.
    Sô dode l'lote !!!

    ResponderEliminar
  2. Merci! merci! Pela parte que me "touche"...

    A Valdemar toda a razão. No Fogo de outrora que não agora, havia GENTE! brava, é certo, mas com carácter! Hoje..."apesar de vivos continuam como que num congresso de depressivos" Assino ao lado, ou por baixo.
    Abraços com lavas
    Ondina

    ResponderEliminar
  3. Sem dúvida que o Fogo foi o alforge de gente ilustre e abnegada. E que tanta falta faz hoje! Tanta falta!

    ResponderEliminar