segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

[2838] E neste ano de Eugénio Tavares, também apenas uma imagem do ilustre, para manter a chama


4 comentários:

  1. Esperemos que os especialistas na matéria aqui apareçam para dizer da sua justiça. Eu, deste poeta, só conhecia praticamente as suas mornas, que a minha mãe cantava com gosto quando estava nos seus trabalhos domésticos. Mais tarde, e com a internet, é que aprendi algo mais, muito graças ao Luiz Silva.

    ResponderEliminar


  2. Este ano será marcado por três grandes comemorações:

    · centenáio do Liceu nacional em São Vicente por onde passaram os melhores professores e alunos de Cabo Verde e que marcou a vida nacional em todas as áreas do saber, passando pela literatura, ciências sociais, política, desporto, etc;

    · O ano dos 150 anos do nascimento do génio Eugénio Tavares, que marcou como ninguém a nossa música, a nossa literatura e o combate político contra o indigenato e a favor da autonomia, assim como a favor da emigração para os Estados Unidos, condenando também a emigração forçada para São Tomé e Príncipe a ponto de alguns defender em o direito de ser o Pai da nacionalidade cabo-verdiana.

    · E ainda teremos os 110 anos do nascimento de Baltasar Lopes, fundador da Claridade, poeta, romancista e advogado do povo. O Governo e os Municípios não podem deixar passer sem o devido reconhecimento estas datas simbólicas da identidade política e cultural de Cabo Verde.

    Nada temos contra o financiamento de actividades folclóricas, mas também merece financiamento a programação destas comemorações que marcam figuras e épocas fundamentais da identidade cabo-verdiana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não só os 110 anos de Nascimento de nhô Balta em Março, mas os 70 de "Chiquinho", em Novembro, fora os 60 de "O Dilecto Crioulo de Cabo Verde" e os 30 de "Os Trabalhos e os Dias" (contos). Verdadeiramente um "Ano Baltasar Lopes". Isto, porque ele ter nascido não foi a maior "coisa" da vida dele, convenhamos, pois foi a mais fácil. A grande "COISA" foi ele ter escrito o que escreveu... do melhor, em vários sentidos.

      Braça para França,
      Djack

      Eliminar
  3. A França estarà sempre com Nho Baltas. Todos guardamos, pelo menos, um facto dos nossos professores. Para mim serà o meu ùltimo exame com ele e esticar, esticar até mais-que-perfeito-do conjuntivo. Se ele estivesse vivo não haveria o roubo descarado do exame, das pautas e de tudo que conste. Escandaloso !!!:

    ResponderEliminar