quarta-feira, 14 de junho de 2017

[3001] No centenário do escritor Manuel Ferreira (ver também post anterior)

Centenário de Manuel Ferreira

2 - Comemorações

João Serra
Manuel Ferreira nasceu em Gândara dos Olivais, Marrazes, Leiria, a 18 de Julho de 1917. Na sua terra natal a evocação do escritor começou em 28 de Março de 2017, com uma conferência do Professor Pires Laranjeira, docente da Universidade de Coimbra, antigo discípulo de Manuel Ferreira. A conferência teve lugar na Escola Secundária Afonso Lopes Vieira, localizada na Gândara dos Olivais. No passado dia 22, dia do Município, a Câmara de Leiria entregou a Hernâni Ferreira, filho do homenageado, a medalha de ouro da cidade, atribuída a seu pai a título póstumo.

A Câmara de Leiria prepara para 18 de Julho um sarau literário e a organização de uma exposição itinerante sobre a vida e obra de Manuel Ferreira a qual deverá circular pelas escolas do concelho.

Ao microfone do Rádio Clube Port., com Aquilino Ribeiro
Também para 18 de Julho, prepara-se uma exposição para as Caldas da Rainha, no Museu de José Malhoa, sobre a vida e obra de Manuel Ferreira. A Exposição seguirá para Leiria em Setembro. Nessa altura pretende a Câmara de Leiria organizar ma conferencia internacional sobre a obra de Manuel Ferreira.

A 16 de Dezembro, no Centro Cultural de Belém, haverá uma sessão de evocação de Manuel Ferreira, com a presença do escritor cabo-verdiano Filinto Elísio e da escritora angolana Ana Paula Tavares e de Deolinda Barros, antiga aluna daquele professor que lerá passagens da sua obra de ficção. Nessa altura deverá já estar disponível uma biografia de Manuel Ferreira, que será editada pela Rosa de Porcelana, uma editora cabo-verdiana. (termina no próximo post)

5 comentários:

  1. Grato por mais este acrescento noticioso sobre as comemorações do centenário de Manuel Ferreira. O homem e o escritor bem merecem. Importante é também realçar o papel que o Dr. João Serra tem tido neste processo e que aqui nos honra com a sua presença.

    ResponderEliminar
  2. Estou muito grato pela ajuda que me tem sido prestada pelas redes conectaras no ciberespaço. A homenagem a Manuel Ferreira e a reconstituição da sua biografia tem recebido um poderoso impulso de blogues, como o Praia de Bote e ainda espero que esse movimento possa ser ampliado. Mas devo aqui deixar uma palavra de profundo agradecimento a Adriano Lima, que me facultou o acesso a investigações preciosas que tem em vias de conclusão, o que me permitiu ir mais longe e mais fundo na minha pesquisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Praia de Bote está sempre disponível para as grandes causas cabo-verdianas. Esta do centenário de Manuel Ferreira, escritor natural do então Portugal europeu mas de tão fortes ligações a Cabo Verde, é uma delas.

      Braça comemorativa,
      Djack

      Eliminar
  3. Eu acho que o Centenário do escritor Manuel Ferreira deveria ser referênciado em Cabo Verde e feito uma homenagem condigna em S Vicente, ilha onde residiu e formou-se, em parte, destacando a amizade pelo Dr Aurélio Gonçalves. Mas com a camarinha que temos...

    ResponderEliminar
  4. Uma das figuras incontornáveis no estudo da Historiografia literária cabo-verdiana.
    Meu saudoso e inesquecível Professor das Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa da Faculdade de Letras de Lisboa. Conhecedor e analista sério e profundo da Cultura de Cabo Verde, tendo como foco a sua Literatura.
    Ler «Aventura Crioula» «No Reino de Caliban» «Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa» é mergulhar na memória da escrita ficcionista e poética dos escritores das ilhas, alguns, vultos referenciais e para nós imortais.
    Outrossim, Manuel Ferreira romancista, coloca o "habitat" do enredo, a acção das personagens em solo cabo-verdiano. Disso são exemplos emblemáticos os romances «Hora di Bai» e «Voz de Prisão».
    Isso para dizer que sinto Manuel Ferreira tão cabo-verdiano intelectualmente e afectivamente, como qualquer de nós.
    Homenagens merecidas e sempre oportunas.
    Abraços
    Ondina

    ResponderEliminar