quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

[4021] A Praça Nova, aquela que nunca envelhecerá... vista (com a Banda Municipal a tocar) do Hotel Porto Grande, ainda em construção, em meados dos anos 60 do século passado

E reparem nas luzes do Grémio acesas... e nos vendedores de mancarra, sucrinha e chuinga, tabaco e cimbrom, o da camisola esverdeada e a senhora quase tapada pela esquina do hotel (ainda em tijolo).

7 comentários:

  1. Há qualeer coisa de fantasmagórico nesta foto. O que será?

    Também noto que o que escrevo fica todo sublinhado a vermelho, a indicar erro ortográfico.

    ResponderEliminar
  2. Quanto ao sublinhado a vermelho, a mim aqui só me acontece quando me engano nalguma tecla e sai gralha. Mas seja como for, tudo o que escreveste saiu bem, apesar do encarnado. Não ligues. Coisas da informática...

    Quanto à fantasmagoria, pensei exactamente o mesmo, quando estive a analisar a foto. Penso que o fotógrafo utilizou uma abertura de lente muito pequena. Quanto aos riscos brancos em cima, devem ser de a foto estar amolgada. Lembremos que já lá vão quase 60 anos e ela não está em muito bom estado. Ainda assim, a imagem mostra bem o que era/é aquela praça e o seu movimento de domingo.

    Braça com gente ta rudiá,
    Djack

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Joaquim, já está resolvido. Não tinha nada a ver em particular com o PdB, pois verificava-se também noutros blogues. Foi uma desconfiguração ocorrida no google, sem que eu tivesse contribuído para isso.

      Eliminar
  3. Alguém se lembra dos engraxadores de sapatos sentados no chão?
    E dos vendedores de drps e chocolates em maletas de madeira com tampo de vidro?
    O de camisa verde parece o Cirilo. Muita gente de pé a ver e a escutar, e quase nenhum a passear.
    Hoje o panorama é bem diferente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O super-engraxador foi o Caetano, que trabalhava de baixo da àrvore na esquina da Central. Como era aleijado (de pernas), depositava-o ali de manhã cedo o seu filho puxando um carrinho. Sempre activo, ele até emprestava dinheiro.

      Eliminar
  4. Zeca, de quem mais me lembro desses vendedores é do "Mitchel", sobre quem até escrevi uma crónica publicada no PdB. Infelizmente, morreu ainda novo.

    ResponderEliminar
  5. Mitchel era um 'actor' imitava aqules herois rock and rool, da cabeça aos pés. Enfim um presonagem mindelense típico

    ResponderEliminar