quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

[0160] "Meu falucho", soneto de Adriano Miranda Lima

Adriano Miranda Lima
O PRAIA DE BOTE que, como se sabe é um espaço cabo-verdiano assumido e reivindicativamente marítimo, fica mais que contente quando lhe oferecem petiscos como este que AML lhe enviou para publicação. O sentimento que fez com que o coronel-escritor-poeta tenha tido vontade de escrever o presente poema, teve-a o administrador do blogue quando viu o "Carvalho" jazer no cais acostável em 1999, como cão lazarento votado ao abandono. Será uma história, com contornos políticos nebulosos (ainda por cima britânicos), para contar noutra altura. Limitemo-nos, por enquanto, a ilustrar o "falucho" de Adriano Miranda Lima com a dramática foto de há 12 anos do palhabote que tantas vezes cruzou o Mar d'Canal.



Meu Falucho

Cavername é o que resta de ti, no rochedo a apodrecer,
Navio de outra era, nostálgico veleiro.
Há quanto tempo já as ondas te não embalam inteiro?
Em sonhos ainda te vejo a todo o pano, ao entardecer...

Mas tu também sonhas às vezes, eu sei...
Se o vento sopra de feição, não resistes ao incitamento
Das ondas, das toninhas e das estrelas do firmamento,
E retomas as rotas centenárias do mar da velha grei.

Ainda vives imanente nas pupilas dos meninos da beira-mar,
Herdeiros da genética memória das lides marinheiras,
Agora teus tripulantes no cavername das suas brincadeiras.

E continuas vivo nas histórias do povo insular,
Meu falucho, modesto barquinho de carga e passageiro.
Só eu sei quanto desejas voltar a um estaleiro.


Foto Joaquim Saial - "Carvalho", palhabote do armador Henrique Ferro (clique para ampliar)

3 comentários:

  1. Falucho, palhabote, veleiro, eram todos, os autocarros em permanente vai-vem na auto-estrada do canal, cordão umbilical Mindelo/Porto Novo, nostalgica memória de um tempo, que não foi fácil mas era bem mais simples...
    Zito Azevedo

    ResponderEliminar
  2. Tantas vezes viajei neste barco... Nem calculas como dói ver esta foto. É como ver o cadáver carcomido de um ente querido. Preferimos recordá-los na sua pujança.
    Era dos veleiros. É bem o retrato de uma era que já passou.

    João Manuel

    ResponderEliminar
  3. Caros Zito e João,

    A vida é mesmo assim... há sempre dinheiro para as coisas supérfluas mas raramente para a salvaguarda da memória. O affaire "Carvalho" foi de facto triste, vingançazinha britânica de que falarei no próximo post, talvez logo à noite ou amanhã, dependendo do tempo disponível. Mas não há dúvida de que este veleiro fez (e ainda faz) parte da nossa vida e das nossas memórias.

    Obrigado pelas vossas sempre bem-vindas participações.

    Braça
    Djack

    ResponderEliminar