segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

[0177] "Mindelo e Porto Grande", poema de Valdemar Pereira

Valdemar Pereira
Porto Grande, a bela concha orlada pelo anfiteatro da cidade do Mindelo e montanhas circundantes em que avulta o Monte Cara, sempre foi motivo de inspiração de poetas e músicos da nossa cidade. Lá longe, na diáspora, em terras gaulesas, o nosso colaborador Valdemar Pereira não foge a essa sina (nem quer fugir), talvez com uma garrafa de Bordeaux por perto, comedidamente bebida (como sabe melhor)... à falta de um grogue di terra mais animador em momentos de escrita.

Praia de Bote agradece ao autor e amigo e oferece o petisco aos seus banhistas, em mais um tempo de sodade de nôs Mindelo e de nôs Porto Grande.




Mindelo e Porto Grande

O mar do Porto é belo com seu reflexo azul
sobre a água o fulgor de uma incrível cor anil
onde o ilhéu dos Pássaros, rochedo cinzento,
salta misteriosamente ampliando o momento
onde as almas, sem palavras, com harmonia
se encontram para um deleite dessa sinfonia
do Mar Eterno sem fundo sem fim d'Eugénio
ilustre e perene, já que foi egrégio e génio.

Infinitamente presente, a ventania lancinante
conta os estrofes duma Morna emocionante
com suas palavras de alegria ou melancolia
ou mesmo qualquer outra singular melodia
enquanto apreciamos o divino Monte Cara
e Porto Grande, que já não é o de outrora
com paquetes, veleiros e barcos de carga
onde havia azáfama dia e noite até aurora.

Enquanto seus poetas escreviam os versos
e os pintores criavam painéis mais diversos
o povo tinha seus sucessos e seus reversos
momentos de algum júbilo e muita tristeza.
Havia certamente uma escondida pobreza
mas, no fundo, dissecado, digo de certeza,
embora as alturas de fome e de gravidade
que houve no Mindelo e no Porto Grande
tivemos gente de coragem e de dignidade.

11 comentários:

  1. Boa tarde a todos!
    O que tem nas veias e neurônios dos caboverdianos a não ser Amor por seu lugar? Tenho lido poemas, letra de canções, crônicas e depoimentos de pessoas da terra do Mar Azulão que me cativam e fico pensando ... será que um brasileiro fala de seu país com tanto carinho e sodade? é tão contagioso, que mexe com a adrenalina e outros hormônios e nos remete sem que percebamos, àquele lugar por onde a Cesária andou e cantou. E, de repente, estamos lá sentados em um desses barcos enquanto o Astro Rei se despede. Valdemar Pereira é um desses que veste a camisa da Ilha de Socente, passadinha a ferro e perfumada. E depois de trajar-se a rigor começa a derramar no papel a seiva do seu amor.
    Parabéns ao povo da Praia do Bote, ao Sr. Joaquim Saial e ao "gentleman" Valdemar. Seu poema é uma fiel fotografia de sentimentos e emoçoes.
    Braça pa tude monde.

    do Brasil, da Bahia, de Feira de Santana a poeta iniciante, Yara

    ResponderEliminar
  2. Obrigado à Yara pela participação e sobretudo pela simpatia demonstrada.

    O que a Yara talvez não saiba é que eu nem sequer sou cabo-verdiano de nascimento (português, vivi três anos ali, entre os meus 9 e os meus 12, na época colonial). Mas quem passa mais que um mês naquele território, sobretudo na ilha de São Vicente, fica apanhado para o resto da vida. É um vírus que contamina e que em vez de destruir constrói na vítima uma nova (e muito boa) identidade. Nada a fazer, Cabo Verde é assim...

    Um abraço e apareça sempre.
    Joaquim Saial

    ResponderEliminar
  3. Valdemar, amigo, você saiu melhor do que a encomenda...Não estranho que seja poeta - não conheço nenhum cabo-verdiano que o não seja - apenas registo que, mesmo longe, você continua lá, na baía do Porto Grande, no Monte Cara, no Ilheu...É bem certo que quem parte não vai só, leva nas memórias e na pele o afago da terra-mãe, das suas cores, dos seus aromas, da sua morabeza...Bonito!

    ResponderEliminar
  4. Boa, Val. As palavras nunca se esgotam quando se trata de cantar o nosso Mindelo e o seu Porto Grande. E elas se bordam com os tons mais sublimes da saudade e da exaltação da sua memória antiga quando saem da pena ou da boca de um filho amantíssimo. Como tu és, Val.
    O Monte Cara é como uma divindade que do alto do seu trono assiste condoído à odisseia dos seus filhos que saem para a terralonge em busca de um futuro melhor. Presente na "hora di bai", é como metade que fica do coração que parte. Por isso é que devem ser poucos os mindelenses que se ausentem e não sintam a alma repartida por léguas de distância, ansiando como ninguém pela hora do regresso.
    É com satisfação que saúdo o desembarque da Yara Lima Oliveira nesta "Praia", e se outras razões não houvesse para o registar efusivamente, sublinhe-se que se trata de uma poetisa e de alguém que, não sendo natural de Cabo Verde, tem certamente o seu coração ancorado em todos os lugares onde o homem se faz centro do mundo e a razão do mundo.
    Os meus cumprimentos e felicitações ao Joaquim, ao Valdemar e à Yara, com renovados desejos de um Bom Ano. E extensivos também a todos os frequentadores deste blogue, ansiando que apareçam aqui para falarmos das saudades comuns.

    ResponderEliminar
  5. Inseri o meu comentário a respeito deste post quando o Zito Azevedo ainda não tinha aparecido. É a razão por que não o cumprimentei e felicitei também, conforme fiz para os que já se tinham manifestado, e como ele bem merece. "Marinheiro" assíduo nesta "Praia", o Zito é, pois, credor do nosso maior apreço pela sua boa companhia e pela valiosa colaboração que vem dispensando ao "patrão" Djack.

    ResponderEliminar
  6. Aos que aqui vieram - sem distinção do lugar onde nasceram - que têm Cabo Verde, Soncente e Praia de Bote no coração.
    MNIS !!
    Sinto-me confuso, bazofiaria à parte, pelos vossos comentários por coisa que se encontrava na gaveta(*) e que agora saiu aqui porque é assunto de Praia de Bote.

    O meu Muito Obrigado - de todo o coração - mas gostaria de ver a "carinha estanhada" de alguém que nunca pensou que uma coisa dessa saísse.
    O Zito falou de Monte Sossego. Talvez tenha de falar de novo desse lugar que era de terra vermelha mas que passou a ser bairro do Mindelo.
    Até breve, se o Comandante Djack, da sua Capitania, assim permitir.

    Jà agora, as minhas desculpas. - Na ùltima linha deve-se ler "tivemos gente de coragem e dignidade"


    Um braça rije e coraja pa 2012.
    Valdemar

    (*) Meu pensamento vai ao Sr. Sérgio Frusoni que um dia me deu algo que se encontrava na gaveta ("Tempe de caniquinha") e que um dia chamei de Hino do Porto Grande

    ResponderEliminar
  7. Emenda feita, caro Valdas!!!

    E no Monte Sossego tenho grandes amigos: Nha Bia de Grigório (este, antigo funcionário da Shell), numa das mais antigas casas da zona e Virgílio Pina, antigo marinheiro e depois polícia marítimo da Capitania e grande praticante de golfe.

    Contou-me nha Bia que quando o pessoal do Monte vinha para a morada trazia sempre consigo um paninho ou um bocado de papel higiénico para limpar o calçado do pó do Monte e entrar na morada a brilhar.

    Braça,
    Djack

    ResponderEliminar
  8. Amigo Djack,
    Sendo menino de Chã do Cemitério, quase da época da foto de hoje (onde se vê a minha casa), confirmo o que lhe disse Nha Bia. As pessoas aproveitavam de um monte de pedras (para contrução) em frente à nossa casa, para limpar os pés ou os sapatos pretos que ficavam acastanhados.
    Mas o pior, meu amigo, era naqueles dias de vento. Imagine !!!

    ResponderEliminar
  9. Amigo Val
    So hoje entrei no Praia de Bote.Como sempre gostei muito do teu poema. Obrigado por me teres levado a viajar mais uma vez pelo Porto Grande fazendo-me lembrar o velho cais onde ia muitas vezes, especialmnente, no fim do ano com toda a familia à meia-noite ouvir os apitos dos barcos. Todo o MIndelo esta dentro do meu coraçao. Nao ha duvida que Soncente é sabe na d'vera. Fernando

    ResponderEliminar
  10. Maria Helena da Costa Ribeiro Pinto e Neto4 de janeiro de 2012 às 22:21

    Além de homem de teatro, sempre foste poeta e, para um poeta, nada melhor que cantar a sua Terra, e, felizmente que o fazes com mestria.
    É bom recordar a nossa Ilha nos teus versos...
    Obrigada.
    Milena Ribeiro pinto e Neto

    ResponderEliminar
  11. Mais uma ilustre cabo-verdiana chega à PRAIA DE BOTE, na carrinha do Blá. Muito bem-vinda, Maria Helena. Apareça sempre.

    Braça,
    Djack

    ResponderEliminar